Do pouco, quero muito

Africanos

Da vida,

O que espero é o pouco,

O que preenche é o oco,

O que desejo é menor.

 

Só anseio entender a grandeza,

E poder me inspirar na beleza,

Que no mundo só vi na tristeza,

Do pequeno, pobre, pó.

 

Se em vaidade, pecado mortal,

Fui inventado para ser imortal,

Vou rejeitar o divino imoral,

E aceitar meu juízo final.

 

Por humano aprendo a ser gesto,

Que mesmo humilde e modesto,

Tem a força de todas as fraquezas,

E aceita todas as incertezas.

 

Pois se no certo se exclui,

E na verdade se oprime,

Onde fico é no inferno,

Com todos os errados em comum.

 

Eu escolho os descartados,

Os desprezados e desvalidos,

Quero, por eles, sempre menos,

Menos, somente, de mim.

Anúncios

4 comentários sobre “Do pouco, quero muito

Seria um prazer se você deixasse um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s